quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Indispensável clichê...

Adeus ano velho, feliz ano novo... Até temos a impressão de que num virar dos ponteiros do relógio assim como num passe de mágica tudo se transformará, um novo ano começará e com ele a esperança de que tudo se renove em nossas vidas... Mas a questão é que um novo ano não é sinal de renovação... Um novo ano é sinal de oportunidade para mudar os seus pensamentos, seu modo de agir, pra renovar as suas forças e lhe dar mais uma oportunidade de ser feliz... Você muda e o mundo muda e não é preciso aguardar um ano inteiro até a meia-noite do dia 31 de dezembro pra isso acontecer! O que move nossas vidas são nossos sonhos, nossos objetivos, nossos valores, aquilo que nos dá prazer em acordar e seguir em frente, o que tira nossos pés do chão, são aquelas coisas que vão dando brilho ao caminho que percorremos... Sem este tesão de viver é impossível esperar que a "virada" de ano vá fazer milagre em sua vida... Um ano é muito tempo... Por mais que ele passe voando! Tente fazer a sua retrospectiva pessoal, avaliar o que mais te encheu de alegria, o que você mudaria, o que te entristeceu, as oportunidades que perdeu, os amigos que ganhou, as suas conquistas, suas vitórias, faça isso por você, para que você tenha consciência de que tudo em nossas vidas depende das nossas decisões... Relembrar é viver... Não para se arrepender de nada... Mas, para aprender, e aprender com suas experiências! É imprescindível que você comece o ano com a energia mais positiva que conseguir, em meio a pessoas queridas, com a mente e o coração abertos pra receber o que o novo ano lhe reserva! O réveillon é um momento mágico por que dura um segundo para que tudo comece novamente e para que você aguarde mais 365 dias para passar por tudo de novo... Então, aproveite o seu último dia de 2010 e se prepare para o 2011 que vem ai... Deixe de lado as listas, as promessas, substitua-as por atitudes e deixe que a vida flua da melhor maneira possível... Não se cobre de mais, não se queixe da vida, não se culpe, ao final da contagem regressiva estufe o peito e agradeça em alto e bom tom pela oportunidade de estar vivendo novamente um momento mágico... A gratidão é um dos combustíveis para a felicidade... Abraçe forte as pessoas e pense somente em coisas boas... O réveillon é um dos momentos em que existe maior concentração de energia positiva fluindo... Aproveite este momento pra canalizar os desejos mais sinceros e faça a sua parte no plano de ser feliz! Obrigada sempre! Prost Neue!!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Mude a sua vida!

Cada vez mais me convenço de que somos regidos pelo acaso... É o efeito borboleta, a ação e reação... Neste mundo de normas, de comportamentos politicamente corretos, de aparência, de postura e de quem pode mais, o que mais vejo são pessoas vazias... No meu mundo não! Na minha Pasárgada particular a gente dança de acordo com a música e não perde tempo quando o papo é ser feliz... Não me diga o que fazer... Faça comigo! Não é impulso... É vontade... É prazer em aproveitar cada segundo do que se tem. Do que se quer. É deixar a brecha para o acaso acontecer... É acordar e dar muita risada pelo que se fez... É surpreender e se deixar surpreender... Cada dia é uma nova chance de perceber que estamos aqui é pra aproveitar o que a vida tem de melhor! Superar dificuldades, crescer com as adversidades, desfrutar de todos os momentos que fazem a gente agradecer por estar aqui... Momentos que fazem a diferença... Eu não quero um gps na minha vida me indicando a direção, eu quero que a vida me leve aos momentos mais inesquecíveis, à novas experiências... Viver e não ter vergonha de ser feliz, como cantava Gonzaguinha, ou melhor, como dizia uma propaganda de cerveja: Vai contar o que para o neto???? Hein? Que viveu a vida como telespectador? Então, mexa-se... Sua história depende das decisões que você toma... Aceite a influência do acaso e seja feliz...

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Deu saudade...

Esta espontaneidade ainda acaba comigo, mas quando sinto aquela sensação de precisar externar o que sinto, não tem outro jeito... Tenho que escrever! E por alguns instantes senti saudade, saudade de um período, de um momento, de certa autonomia pra decidir o que e quando e como fazer. Esta época de natal deixa a gente assim, vulnerável... Dedicação, capricho, delicadeza em fazer o melhor, o mais bonito, mais confortável, mais aconchegante, criar o clima, entrar no espírito... Nossa... Um ano já passou, e quanta coisa mudou!!! Que ano, que ano eu posso dizer... Um ano de superação, de conquistas e vitórias, um ano em que proporcionalmente falando a tristeza e a alegria dividiram quase que igualmente o meu ser, só o tempo mesmo pra provar quem é quem, pra mostrar o quanto somos capazes de superar qualquer coisa desde que isso seja a nossa vontade, um ano em que eu cheguei a questionar se teria outros natais, e não é exagero! Foi assustador. Um ano em que por livre e espontânea pressão tive que pensar em mim mesma e abrir mão de cuidar da vida de todo mundo (e não estou falando em fofoca), um ano que está quase no fim... E que neste momento me mostra que toda a saudade que eu já senti foi de mim mesma, como esta, esta a qual eu me refiro aí em cima... Saudade também desta Patrícia que se preocupava tanto em querer o melhor! Sabe? Deu saudade de fazer coisas que a tempos eu não faço... Não me dedico mais à casa, mal arrumo meu quarto, mas hoje, por um instante acho que eu ficaria feliz em fazer o pinheirinho e enfeitar o apartamento com guirlandas e botinhas de papai noel, almofadas natalinas e presentes em baixo da árvore, pensar no jantar e até esperar por alguém pra passear com o cachorro na praia... Talvez por um instante isso preencheria a saudade que a pouco senti! Mas, saudade é como vontade, dá e passa...

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Expectativas...

...Geram decepções. Ou algo assim! Na verdade a questão surge por que nada que acontece ao nosso redor depende da nossa vontade! Quando começamos a criar expectativas sobre coisas que não dependem de nós, estamos a meio caminho (pra ser modesta) de nos machucarmos, de nos decepcionarmos, em todos os sentidos e em todos os assuntos! Seja em uma possível promoção no emprego, na compra de um novo bem, no desenrolar de um novo amor, com amizades, em tudo na vida para ser mais honesta! Quando não criamos expectativas tudo acontece de forma mais natural e nos surpreendemos com várias situações que não perceberíamos se estivéssemos focados somente naquilo que esperávamos! A vida tem que ser vivida de forma leve e suave, a única expectativa que podemos e devemos ter é em relação a nós mesmos, com coisas que só dependem de nós para dar certo! Com nossos objetivos, nossos planos, nossos sonhos... E mesmo assim, estarmos preparados para as mudanças no meio do percurso, que acreditem, tem sim, alguma razão. A única pessoa que você pode controlar é você mesmo, e ainda assim, existe um bocado de pessoas descontroladas que não conseguem domar os seus próprios instintos! Quando não esperamos nada de ninguém, tudo o que "ganhamos" é lucro! Quando esperamos, o que poderia ser lucro se transforma em prejuízo e frustração! Estou lendo um livro que fala sobre a influência do acaso em nossas vidas! E surpreendentemente tudo faz sentido! É mais ou menos aquela história do “efeito borboleta”. Segundo Leonard Mlodinow, ínfimas alterações atmosféricas, como a do bater das asas de uma borboleta, poderiam ter um grande efeito nos subseqüentes padrões atmosféricos globais. Essa noção pode parecer absurda - é equivalente à ideia de que a xícara de café que você tomou de manhã poderia levar a alterações profundas em sua vida. No entanto, isso é efetivamente o que acontece - por exemplo, se o tempo gasto tomando a bebida fizer com que você cruze o caminho de sua futura mulher na estação de metrô, ou que você seja atropelado por um carro que ultrapassou o sinal vermelho [...] Quando reconsideramos detalhadamente os grandes acontecimentos de nossas vidas, não é raro identificarmos eventos aleatórios aparentemente inconseqüentes que levaram a grandes mudanças. Onde eu quero chegar? No ponto de que não adianta perder tempo fazendo planos, programando muitas coisas e inclusive se focando somente nisso! Devemos estar dispostos a fazer certas coisas sim, nos programarmos, mas, estarmos cientes de que tudo pode mudar o tempo todo, a cada segundo, na próxima respiração... Tudo em nossas vidas vem sendo uma seqüência de atos e fatos aleatórios, certas vezes inexplicáveis mas que em algum ponto da história se encaixam, e tudo isso tem sim alguma razão! Mesmo quando parece que algo ruim aconteceu, não foi por acaso e sim pelo acaso, ninguém está no lugar certo, na hora errada ou vice versa, estamos sempre no lugar certo e na hora certa para vivenciarmos e experimentarmos o que a vida destina para nós! Por isso, não podemos perder tempo com coisas que não valem à pena, não devemos abrir mão do que nos faz feliz, nem ter medo de viver, de sentir tudo o que a vida nos oferece, de nos entregarmos de verdade ao que nos é apresentado! Por que nada é por acaso... E sim, pelo acaso!

domingo, 5 de dezembro de 2010

É tempo perdido...

Cada segundo de vida que se perde reclamando...Cada palavra que se joga ao vento contra alguém... Cada chance perdida de se desculpar... Cada vez que se perdeu a oportunidade de redimir-se...Cada momento que se faz algo contra a própria vontade... Cada vez que se escuta só uma das partes... Sempre que se briga com um amigo... Cada vez que se magoa alguém... Sempre que você teve a chance de dizer "eu te amo" e ficou calado(a)... Quando não deu o máximo de si naquilo que estava fazendo... Quando perdeu a chance de ajudar alguém... A cada dia que não se agradece o fato de estarmos vivos... Quando se discute com quem fala de mais por não ter nada a dizer... Julgar as pessoas... Condenar as pessoas... Comparar as pessoas... Imparcialidade... Falta de amor próprio... Falta de personalidade... Brincar com sentimentos alheios... Mentir pra si mesmo... Mentir pra qualquer pessoa... Usar as pessoas... Desacreditar no poder da alegria... Não fazer as pazes... Ter sempre razão... Não aceitar sugestão... Não ser feliz sozinho... Tentar ser o que não é... Se aproximar dos outros pelo que eles tem e não pelo que eles são... Egoísmo... Materialismo... Inveja... Tentar enganar os outros...Se deixar enganar... Se acomodar... Não se mexer... Não ter objetivos... Não fazer projetos... Não sonhar... Não se permitir... Segurar o choro... Economizar sorrisos... Desinteresse... Brigas... Qualquer coisa que ponha em risco a sua vida... Qualquer coisa que ponha em risco a sua moral... Qualquer coisa que ameace o seu caráter... Aquilo que não influencia positivamente... Tudo que não acrescenta em nada... Depressão... Falsidade... Dependência... Medo de viver... Ignorar a intuição... Vingança... Falta de consideração... Não se apaixonar... Não comemorar... Não viver a vida plenamente... Tudo isso é tempo perdido...

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Um brinde a amizade!

Já dizia Vinicius de Moraes: A gente não faz amigos, reconhece-os. E eu concordo... Em meio a tanta gente e por toda a nossa vida, vamos, reconhecendo os nossos amigos! Se a questão fosse apenas "fazer novos amigos" não haveria motivo para não sermos amigos de todos, mas não é... Amizade é a continuação do que nos faz bem, alguém ou alguns dispostos a rir conosco, chorar conosco, brigar conosco quando preciso, segurar a nossa mão, sentir o que sentimos e mesmo assim ser independente de nós, amigos que passam anos sem conversar e mesmo assim estão ligados, amigos que não se desgrudam um segundo sequer, pelas mais variadas razões, amigos de tantos tipos e tão diferentes entre si mas que trazem consigo algo de especial que faz com que os reconheçamos em meio a tantos outros. Os nossos amiguinhos de infância que temos a impressão de não terem mudado nada! Mesmo sendo adultos completamente diferentes das crianças que conhecemos! Adultos, disse eu? Talvez nunca me acostume com isso! São aquelas "más companhias" com quem andávamos na adolescência e que graças a Deus não abandonamos por nada nem ninguém, e que hoje são nossos amigos favoritos, são pessoas que vamos reconhecendo em pequenos gestos e detalhes diários e que quando percebemos já estamos tão ligados e parece que a vida não tem mais sentido sem eles... O que seria das nossas vidas sem a amizade? Em um momento em que as pessoas tem se isolado cada vez mais, não é difícil compreender por que a depressão é o mal do século! Por mais que estejamos numa época de total globalização e avanço digital, não há o que substitua aquele abraço apertado, amanhecer na praia, dançar até de manhã, se largar no sofá e falar tanta besteira a ponto de não aguentar a dor na barriga de tanto dar risada, ter ideias malucas, ter papos cabeça, contar segredos, desabafar, passar por situações que até Deus duvida, fazer planos, torcer pelo bem e pelo sucesso daqueles que também, nos fazem tão bem! Saber que eles, nossos amigos, também torcem com a mesma força e intensidade por nós! Independente do que esteja acontecendo em nossas vidas, tudo fica mais fácil e suave com a presença dos amigos... Ao longo de nossas vidas, eles, nossos amigos é que foram ajudando a moldar nosso caráter, são eles que com críticas ou “esporros” nos ajudam a voltar pro caminho certo, afinal, quem concorda com tudo que fazemos não está nem aí pra nós! Ninguém entra em nossas vidas por acaso e eu tenho cada vez mais certeza de que cada pessoa que passa por nossas vidas tem algo de importante pra nos ensinar e que os amigos são aqueles que ajudam neste aprendizado! E ainda citando Vinícius de Moraes, eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Amistad para sempre!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Exercitando a paciência!

Não adianta! Por mais que, na maioria do tempo, você seja uma pessoa boa, tranquila, da paz, etc... Sempre vão ocorrer situações em que será necessário exercitar a paciência! São milhares de situações que nos testam diariamente: pessoas sem noção, falta de educação, gente folgada, injustiças, o nosso time que perde, o carro que estraga, clientes chatos, falta de tempo, falta de dinheiro, falta de vontade, notícias ruins nos jornais, expectativas frustradas, mudanças de planos, briga com o namorado, desentendimentos com pessoas que gostamos, enfim... São muitas coisas que acontecem todos os dias, o tempo todo e que vão dando uma minada em nossa rotina! Para tudo isso, paciência! Mas, além de paciência é necessário ter postura! Postura pra cortar o mal pela raíz em muitas das situações que acontecem só por que nós permitimos! As pessoas não irão pisar em você a menos que você se deite. Sabe? Pode parecer maldade, egoísmo ou seja lá o que for, mas a pessoa mais importante da sua vida tem que ser você! Então, faça o que você gosta de fazer, fale o que você pensa, não deixe que pessoas te manipulem, te usem, façam com você o que estão acostumadas a fazer com todo mundo que as atura! Não permita que quem quer que seja te tire do sério! As vezes não percebemos o quanto coisinhas pequenas podem se tornar problemões pra nossa saúde física, mental, espiritual! Procure ser uma pessoa de essência e não de aparência, tenha personalidade, cuide de você e tente ao máximo se afastar de situações que não te tragam alegria, não podemos perder tempo com quem não compreende que cada um tem que cuidar da sua própria vida e que ninguém é responsável por atos, sonhos, desejos, frustrações alheias! Respire fundo, tire um tempo pra você, caminhe sozinho, escute sua música favorita, desabafe e seja sincero... Não deixe que a pressão do dia-a-dia ganhe mais espaço do que a felicidade em sua vida!

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Indagações!

Sabe aquele papo de que Deus escreve certo por linhas tortas? De que Ele nunca te fecha uma porta sem abrir uma maior? De que aqui se faz aqui se paga? De que tudo acontece no momento certo? De que nada é por acaso? Ou, seja lá o que for...? E que a gente não quer nem ouvir falar quando está naquela fossa fudida por que acha que tudo não passa de papo furado, ainda mais por que se fosse assim, por uma questão de justiça, estaríamos, naquele momento de agonia, desfrutando do que existe de melhor? Pois é, só que naquele mesmo papo de que o mundo dá voltas, daqui a pouco você se pega bem de novo, muito feliz, muito completo, diferente... E, aí é que é o momento de lembrar daquele papo lá de cima... É aí que você realmente percebe que tudo aconteceu exatamente como tinha que acontecer, é daí que você tem mesmo que agradecer pelo que passou, olhar pra frente e dizer que tudo valeu a pena! Cada bad moment valeu a pena... Pra que? Pra aprender a dar valor ao que se tem agora, pra aprender que amor de verdade é o amor próprio, pra aprender que respeito e confiança se conquistam, pra aprender que você não precisa provar pra ninguém o quanto é bom, esperto, inteligente ou fiel... Pra valorizar cada segundo de vida que se tem por aqui, pra conhecer o desconhecido, pra crescer, pra evoluir! Pra aprender que as coisas não acontecem como queremos, mas acontecem como e quando precisamos! Talvez a evolução seja realmente aprender que os momentos ruins fazem parte da vida e que estamos aqui para superá-los de forma a não perdermos a razão, o equilibro e a sanidade só por que nem tudo é do jeito que a gente quer, mas é do jeito que tem que ser! O universo conspira a favor daqueles que acreditam nos seus sonhos, e acreditar nos seus sonhos verdadeiramente faz com que as coisas caminhem por lugares que não façam sentido no momento, mas que levam ao destino final: A felicidade, o reconhecimento, a plenitude! Não tenha dúvidas em relação ao caminho... Se você sabe pra onde ir, aonde quer chegar, coisas aparentemente inacreditáveis podem acontecer, mas confie em si mesmo e no seu caminho, as respostas chegam de maneira inesperada e no final, tudo dá certo!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Supere-se...

Impressionante, indescritível, inacreditável o poder que temos de superação! Superação em todos os sentidos... Seja o medo, qualquer medo, de altura, de agulha, da solidão...A vergonha, timidez, a dor, a perda,o fim... Enfim! Basta estar disposto a superar-se e surpresa, você consegue! E daí você olha pra trás e percebe que era mais forte do que você imaginava e que tudo na sua vida pode caminhar da mesma maneira. A partir do momento que você decide, você consegue! Qualquer superação te enche de força, de felicidade, olhar pra trás nem é tão bom quanto olhar pra frente e perceber que de verdade tudo está diferente!Você muda, o mundo muda! Esta tal superação te deixa no comando... Das suas emoções, dos seus sentimentos, de você mesmo! Isso que importa em qualquer situação, não tentar controlar o que não cabe a você, mas tentar controlar a si mesmo! Conseguir viver e ser feliz e perceber que a vida é muito mais do que uma ou outra pedra no caminho e que quando você abre mão daquilo que te faz mal você faz um bem enorme a si mesmo! Você se presenteia com a chance de ser feliz de verdade... É impagável ver que o que quer que seja que você tenha superado fica minúsculo se comparado a sua atual situação! São estes detalhes que nos engrandecem a cada dia e nos mostram que realmente temos a chance de decidir nosso caminho! Depende de cada um a incrível descoberta da felicidade, dê a si mesmo a chance de tentar fazer algo que nunca fez, falar o que nunca disse, abandonar o que te faz mal e superar a cada dia novos obstáculos! Você vai se surprender com a imensa força que você tem e isso vai fazer de você uma pessoa melhor, mais completa e plena de si mesma! Nada vale mais do que você mesmo! Supere-se e sinta que a liberdade depende da sua decisão! Liberte-se.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

E se...

Você já parou pra pensar que tudo depende da sua vontade? Tudo! Muitas pessoas que conheço são cheias de "não posso por isso" ou "não posso por aquilo" ou ainda "tenho de", enfim... Isso não é verdade. Você não pode por que você não quer, auto-sabotagem pode ser, ou não, às vezes é só comodismo mesmo! Permita-se... Você não sabe o que está por trás das coisas, por trás de um “não” é tudo muito previsível e tudo o que é previsível enjoa! Por trás de um “talvez”, existe uma possibilidade de algo diferente acontecer, agora, por trás de um “sim” tantas coisas podem acontecer! Viva... Crie oportunidades, diga sim com mais frequência, se jogue de cabeça na vida! E se eu tivesse feito? E se eu tivesse ido? E se eu tivesse aceitado? Tentado? Vivido? Nada é tão único nesta vida quanto os momentos, a brincadeira de hoje talvez amanhã não tenha a mesma graça, as palhaças que se diz, as músicas que se dança, a roupa que se usa, tudo se transforma com imensa intensidade, acontece, acaba, num piscar de olhos! Coragem é viver e curtir o que vier pela frente, coisas novas, novos amigos, novos lugares, aventura, exceção! Abra exceções de vez em quando, e o que os outros irão pensar? Os outros que pensem o que quiserem, eles que um dia vão olhar pra trás e dizer "e se"! Não queira esta sentença pra você! Nem tudo que é bom nesta vida é ilegal, imoral ou engorda, aliás, isso é muito relativo, depende da definição que você tem para cada uma destas coisas... Não seja sombra, seja a luz! Mostre pra que veio, e não aceito outra resposta se não, ser feliz! É pra isto que estamos aqui, e por isso que é tão difícil pra tanta gente entender o significado da vida! Olhar pra trás é inevitável, dificilmente caminhamos sem dar aquela leve lembrada do que já passou, portanto, sabendo que, a vida segue que ela siga da melhor maneira possível! Que seja intensa, que seja realmente o máximo que ela pode ser! Extravase de vez em quando, fuja da normalidade, faça coisas diferentes, permita-se, não tenha medo de parecer bobo, nem fraco, nem sem noção! Não importa o que você faça, faça por que você quer e não por que tem que ser feito! E se não quer, não faça! É simples... Mas não deixe um dia sequer de viver por "ter de alguma coisa" Não vale à pena... O primeiro passo para o novo é o sim, é aceitar o que a vida lhe oferece de braços abertos e disponível pro que existe de melhor! Liberdade é aceitar que tudo depende só de você!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Seja um doador de Medula Óssea!

O Transplante de Medula Óssea é a única esperança de cura para muitos portadores de leucemias e algumas outras doenças do sangue. Qualquer pessoa com boa saúde entre 18 e 55 anos poderá doar Medula Óssea. Esta é retirada do interior de ossos da bacia, através de punções e se recompõe em apenas 15 dias. Informações sobre a Doação de Medula Óssea: Passo a passo para se tornar um doador • Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos com boa saúde poderá doar Medula Óssea. Esta é retirada do interior de ossos da bacia, através de punções e se recompõe em apenas 15 dias. • Tudo seria muito simples e fácil, se não fosse o problema da compatibilidade entre as medulas do doador e do receptor. A chance de encontrar uma medula compatível pode chegar a UMA EM CEM MIL! • Por isso, são organizados Registros de Doadores de Medula Óssea, cuja função é cadastrar pessoas dispostas a doar. Quando um paciente necessita de transplante, esse cadastro é consultado. Se for encontrado um doador compatível, ele será convidado a fazer a doação. • Para o doador, a doação será apenas um incômodo passageiro. Para o doente, será a diferença entre a vida e a morte. • A doação de medula óssea é um gesto de solidariedade e de amor ao próximo. Caso você decida doar 1. Você precisa ter entre 18 e 55 anos de idade e estar em bom estado geral de saúde (não ter doença infecciosa ou incapacitante). 2. Onde doar: É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos Hemocentros de cada Estado. No Rio de Janeiro, além do HEMORIO, o INCA também faz a coleta de sangue e o cadastramento de doadores voluntários de medula óssea. Locais de doação 3. Como é feita a doação Será retirada por sua veia uma pequena quantidade de sangue (10ml) e preenchida uma ficha com informações pessoais. Seu sangue será tipado por exame de histocompatibilidade (HLA), que é um teste de laboratório para identificar suas características genéticas que podem influenciar no transplante. Seu tipo de HLA será incluído em nosso cadastro. Quando aparecer um paciente, sua compatibilidade será verificada. Se você for compatível com o paciente, outros exames de sangue serão necessários. Se a compatibilidade for confirmada, você será consultado para decidir quanto à doação. Seu atual estado de saúde será então avaliado. A doação é um procedimento que se faz em centro cirúrgico, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação por um mínimo de 24 horas. Nos primeiros três dias, após a doação, pode haver desconforto localizado, de leve a moderado, que pode ser amenizado com o uso de analgésicos e medidas simples. Normalmente, os doadores retornam às suas atividades habituais depois da primeira semana. 4. Mais informações Central de Notificação e Captação de Órgãos Perguntas e Respostas sobre Transplante de Medula Óssea Importante: um doador de medula óssea deve manter seu cadastro atualizado sempre que possível. Caso haja alguma mudança, a pessoa deve entrar em contato com o REDOME. O Transplante de Medula Óssea é a única esperança de cura para muitos portadores de leucemias e algumas outras doenças do sangue.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A idade do coração

Passado o dia das crianças, lembrando momentos ímpares, percebi que eu cresci de tamanho, de alegria, de convicções, cresci de esperança, de amor, de sonhos, cresci de caráter, de experiências, de distinção, cresci na vontade de viver, cresci até na decepção, sim, ela não te mata, te ensina a viver, certo? Cresci em mim, completamente! Não, mas eu não envelheci, eu reinvento a infância diariamente. Eu faço isso por que sou livre para ser o que eu quiser! Pra falar o que quiser, pra pensar o que quiser, pra sorrir quando quiser, pra chorar se tiver vontade, pra ir e vir se assim eu decidir, sou livre pra viver, não serei prisioneira de mim mesma! Nem do mundo, nem de nada, não serei prisioneira da limitação! A vida é tão leve e tão linda se escolhermos ser assim! Diariamente é possível ser feliz, em cada amanhecer, a cada anoitecer, no decorrer dos dias, em um sorriso, em uma nova amizade, em aprender a conhecer as pessoas de forma livre e sem preconceito! De perceber que fazer o bem vale a pena, de "ganhar" tempo ao apreciar a gentileza e a educação! Eu gosto da espontaneidade que a liberdade tem! Daquilo que acontece e não foi planejado, daquilo que deixa a barriga doendo de tanto rir, daquelas reviravoltas malucas que te levam pro errado lugar certo!Eu gosto! De papo furado, cerveja gelada, de filme com amigos, dançar minha música preferida do momento!Eu gosto mesmo é de me esbaldar desta vida boa que só depende da gente pra dar certo! E se eu continuo "brincando" é por que brincar faz sentido pra mim, me mantém jovem, me alegra e me renova! E enquanto eu for feliz assim eu vou brincar com tudo o que for permitido, por que se eu tiver que me arrepender de algo é do que eu não fiz!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Sobre a (doce) infância...

Os tempos mudam a realidade, o entendimento! Não se fazem mais crianças como antigamente? Fazem... Neste extenso mundo de meu Deus nem tudo é globalização, há ainda àquelas que crescem com direito ao que existe de melhor, e não me refiro a apartamentos em grandes cidades, brinquedos eletrônicos e colégios em horário integral! Refiro-me àquela infância lúdica, com café no bule, terreno pra brincar, árvore pra subir! Poder ir à casa do amiguinho e passar a tarde inteira correndo pra depois tomar café com bolinho de chuva! Relembrar a minha infância é a melhor maneira de comemorar o dia das crianças! Passou? Não, não passou... O dia das crianças deveria ser comemorado todos os dias, dia de lutar pelo direito e pela dignidade de tantas que não sabem o que é infância! Quantas crianças jamais, quando adultas, poderão ter as mesmas doces lembranças que eu tenho? Da escola, da piscina de plástico, de pular amarelinha e querer chegar no "céu", de brincar de esconde-esconde a noite na rua, de pega-pega, de ter um lugar em que nada te atinge como o "fraio", do vôlei improvisado, dos pés de tangerina, do balanço na árvore da casa da minha melhor amiga, de colecionar papel de carta, de jogar stop, de ler a coleção vaga-lume inteirinha, de imaginar... Imaginar que a rede era a carruagem, que o *pletsema era uma floresta cheia de perigos, que o porão era uma caverna, que o sótão era uma casa mal assombrada... Das reuniões com meus primos, do nosso clube, do nosso "QG" feito com folha de bananeira, da casca do coqueiro pelo qual descíamos escorregando a tarde inteira pelos morros no sítio do meu opa, que, diga-se de passagem, era melhor do que qualquer "mini fazenda", da canoa na lagoa, das tardes na cachoeira com direito a piquenique, de dar mamadeira pros bezerros...E o assoalho de madeira da casa da minha oma? Virava pista de patins! Do fogão a lenha e do pinhão que ali fazíamos em todas as férias de julho! Da variant azul do meu opa, que nos transportava pra cima e pra baixo com o melhor de Tonico e Tinoco como trilha sonora! De dar banho nos cachorros, colecionar figurinhas e fazer até um comércio negro na troca das mesmas... De pegar carona cedinho com o padeiro, pendurados atrás da rural pra economizar 200 m de caminhada... Das festinhas juninas... Do culto infantil, voltávamos brincando de “siga o líder” pra casa! Tudo era brincadeira! Se me perguntarem o que eu menos fiz quando era criança a resposta é, sem dúvida: Fiquei dentro de casa! Eu vivia na rua, brincando e correndo e andando de bicicleta... Acho divertido até relembrar dos castigos e das tarefas... Como meu opa tinha uma padaria/mercearia, para meu primo poder brincar tinha que fazer algumas "tarefinhas" antes, como ensacar cebola e batatinha em embalagens com 500g, mas, nós éramos ninjas no trabalho! Nos sentíamos naqueles portos e feiras cheios de mercadorias... Trabalhávamos em conjunto e quando víamos, já estávamos de novo "brincando".... Éramos uma espécie de Macgyver's juvenis que transformavam tudo a seu favor... Fomos os Tchengiman's, os Power Ranger's, os ThunderCats e tantos outros personagens de desenhos animados!!! E os castigos? Sentavam-nos um em cada cadeira sem direito a conversa e só poderíamos levantar quando os nossos pais, avós, decidissem...Em menos de um minuto estávamos brincando de mímica! Foi, sem dúvida, uma infância feliz... Tanto que ela sempre é motivo de alegria quando me encontro com aqueles que fizeram parte dela e cresceram comigo! Eu poderia escrever um livro com as histórias deste tempo tão doce e suave, mas, a intenção é por alguns instantes sentir aquela mesma emoção e agradecer por ter sido criança de verdade!! Feliz dia das crianças! *pletsema: Tentei encontrar a grafia correta, mas como se trata de uma expressão em alemão, quase uma gíria, não encontrei! Significa um quarto de bagunça, de passar roupa, algo assim.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Sobre o amor próprio!

Ahh este preenchimento, que outra palavra eu posso buscar? Completo? Imenso? Perfeito? Cheio? Um sentimento que transborda e não se contenta com o que é pequeno, precisa da imensidão, precisa de overdoses, da ocupação, dos segundos inteiros, é quase inexplicável esvaziar o coração, um vazio perfeito, vazio não significa solitário, nem triste, significa receptivo do que é bom, alegre vazio! Que belo e diferente este vazio cotidiano que enche a alma com espaço! Espaço... Pra sentir, pra ser o que quiser e quando e como julgar melhor e necessário. O vazio e suas faces, do vilão ao mocinho. O vazio remete também a limpo, amplo, renovado, é a este vazio que me refiro. Do vazio da mudança, que abre a janela pra luz do novo dia entrar, e a luz preenche e aquece este vazio tão belo e sereno. E cada nova peça que ocupa um lugar é minuciosamente escolhida para que combine com todo este espaço! Tem lugar pro ar, pra paz, pra felicidade, pra harmonia... E de pensar que o julgamento era tão erroneo, culpava o vazio pela falta de alegria enquanto o que atrapalhava na verdade era o cheio! Ah o cheio, que terrível, egoista de mais para dar espaço a novas vistas e horizontes! Definitivamente, se for para ser cheio, que seja cheio de vazio! Sim, não julgues os espaços, eles são a abertura dos novos caminhos, experimente esvaziar seu coração e deixá-lo cheio, cheio deste vasto vazio que penetra em cada canto do ser, este vazio tem nome, ele se chama AMOR.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Ocupe-se

Não importa com o que... Desde que não seja ilegal ou imoral! Pode até engordar se quiser! Tem um ditado popular que diz: Mente vazia, oficina pro diabo! Pois bem... Você tem alguma dúvida disso? Remédio pra depressão? Coisa pra desocupado! Você tem milhões de alternativas ao seu redor! Basta querer... Basta se ocupar do que te dá satisfação! Nossa quanta utopia você pode me dizer, mas a receita é simples: Trabalhar é quase que obrigatório para a grande maioria da população, trabalhar não só ocupa a mente como também gasta o corpo (no bom sentido), pra que você possa chegar em casa depois de um dia daqueles e tomar um banho, comer algo bem gostoso e relaxar! Dormir como um anjo e sonhar! Ah que fácil né? Eu sei que muitos e muitos tem jornadas duplas e triplas às vezes... "Mas eu trabalho e estudo" você pode me dizer!!! E dai? A escolha foi sua... O futuro é seu... A recompensa do seu esforço será sua também... Pare de reclamar... Olhe ao seu redor! Você não tem vergonha de reclamar de ter que sair de casa pra trabalhar quando vivemos em um país com 7,6 milhões de desempregados? Não sente um profundo desprezo por si mesmo ao acordar e, nem que seja, sair correndo, literalmente falando, enquanto temos só no Brasil mais alguns milhões de pessoas com doenças realmente graves e que não tem outra alternativa a não ser esperar, muitas vezes, pelo fim de suas vidas em um leito de hospital? Você não se enoja de reclamar de ter que comer "qualquer coisa" ao saber que 56,9 milhões de pessoas no Brasil vivem abaixo da linha de pobreza? Você devia pensar um milhão de vezes antes de reclamar que o seu computador é lento! Sendo que milhões de pessoas no nosso país não possuem energia elétrica! E ainda tem gente que me pergunta por que eu sou tão revoltada em relação a antidepressivos! Encha seu pulmão saudável de ar e vá correr pelas suas ruas pavimentadas! Pegue o dinheiro do seu antidepressivo e compre comida pra quem passa fome! Pegue a mágoa e o rancor que tem dentro de você e transforme em amor! Tem muita gente precisando de carinho! Isso não custa nada! Você não tem o que fazer? Visite... Asilos, hospitais, lares com crianças abandonadas... Leve este tempo ocioso que você guarda pra nada e pra ninguém a algum lugar onde as pessoas realmente têm motivos pra reclamar! E quer saber? Na maioria das vezes eles ainda são felizes... Por isso... Ao invés de viver na escuridão e na ignorância do seu submundo, pense antes de falar e principalmente antes de reclamar... O número de pessoas que preferiam estar na “sua” situação é maior do que você imagina!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Definições...

Definir-se é limitar-se, não se defina a menos que você queira ser a limitação! Sinta, respire, viva o que você é, porém, deixe aberta a porta de entrada de novas experiências e emoções, não cerque-se, não mure-se, não se esconda de si mesmo! Absolutamente. Não tenha certezas absolutas nem verdades inabaláveis, não viva com um ponto final permeando suas ideias e ideais, abra aspas, coloque vírgulas, interrogações, exclamações, mas nunca, nunca um ponto final! Recentemente ouvi em um filme que nossas digitais não se apagam das vidas que tocamos e eu acredito que, além disso, ainda mais do que isso, não se apagam dos lugares que estivemos! E as vidas, os lugares, as histórias é que nos constroem a cada dia! Seja um pouco de tudo... Um pouco de seus pais, seus irmãos, seus amigos, das brincadeiras da infância, da saudade, seja um pouco do mar, da lua, das estrelas, da noite, do dia, dos amores, das desilusões que causou, das paixões que alimentou, do sim e do não,seja um pouco do riso, da lágrima, do corpo, do sexo, do desejo, dos filmes que mais gostou, das músicas que você cantou, dos segredos que guardou, dos momentos em que chorou, seja um pouco do desconhecido, das suas viagens, dos seus sonhos, seja um pouco do ar que você respira, dos livros que você lê, seja um pouco dos melhores exemplos que vivenciou, do seu super-herói, das piadas que contou, das caronas que pegou, seja um pouco das aventuras que viveu, seja um pouco até do que você esqueceu, seja um pouco do mistério, seja um pouco dos seus questionamentos, das suas dúvidas mais cruéis, do seu instrumento favorito, seja um pouco do seu cachorro, do seu chefe, do seu subordinado, seja um pouco do seu eu, seja um pouco do nada, do cheio, do vazio, do completo e do incompleto, das horas, minutos e segundos que chegou pontualmente ou que se atrasou, seja um pouco das suas tatuagens, das suas orações, seja um pouco de Deus, seja um pouco do seu drink favorito, do porre que tomou, da grama onde rolou, do abraços mais apertados que você já deu, seja um pouco das coisas que escreveu, seja! Mas, não diga quem você é! Assim, aqueles que vivem e são fragmentos diários de suas histórias entenderão que cada um é um pouco do outro e não será necessário uma definição!

domingo, 19 de setembro de 2010

Se é pra rir...

...que seja muito, se é pra chorar que chore tudo, se é pra amar que seja de todo o coração, se é pra perdoar que seja de verdade, se é pra brigar que seja pro bem, se é pra cair que seja pra aprender a levantar, se é pra fazer o bem que seja sem olhar a quem, se é pra dançar que seja até de manhã, se é pra trabalhar que seja com todo o entusiasmo, se é pra reclamar que não seja o tempo todo, se é pra orar que seja quietinho, se é pra lembrar que seja das coisas boas, se é pra doer que não dure muito, se é pra cantar que solte a voz, se é pra crescer vale tudo, se é pra superar que venha logo, se é pra acabar que seja rápido, se é pra dormir que durma bem, se é pra comer que seja gostoso, se é pra ler que preste atenção, se é pra voar que seja bem alto, se é pra engordar que seja uma grama, se é pra começar que comece certo, se é pra confiar que seja de graça, se é pra brincar que seja como criança, se é pra sonhar que não acabe a esperança, se é pra ter fé que seja nos homens, se é pra ensinar que seja com exemplos, se é pra aprender que seja com a vida, se é pra beijar que seja inesquecível, se é amizade que seja verdadeira, se é pra ter estilo que seja o próprio, se é pra chover que seja a noite, se é pra conhecer que seja pra sempre, se é pra ter coragem que seja de errar, se é pra ser covarde melhor não começar, se é saudade que passe logo, se é pra mergulhar que seja de cabeça, se é pra ter objetivos que eles se concretizem, se é pra respeitar que vire regra, se é pra se apaixonar que seja correspondido, se é pra ter surpresas que sejam agradáveis, se é pra ter paz que seja no mundo, se é pra guardar que não seja rancor, se é pra jogar que não seja com sentimentos, se é pra esperar que não tenha ansiedade, se é pra ser feliz não importa a idade, se é pra viver que seja intensamente....

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Um caso de dependência...

Há aproximadamente três meses eu não vivo sem ela! No início, quando comecei a usá-la eu mal conseguia respirar, me sentia um pouco incomodada, às vezes tinha a impressão de que iria desmaiar, com o tempo fui me acostumando, fui gostando, percebi que ela me fazia bem, usava o dia inteiro, levava comigo aonde eu fosse, só não usava para dormir, por que na verdade não consigo dormir usando... Hoje não importa aonde eu vá... Trabalho, casa dos amigos, balada, shopping, igreja... O que quer que seja, onde quer que eu vá, eu uso! Tenho certeza absoluta que vou usar por muito tempo por que percebo que fico melhor quando uso, mais confiante, não me vejo mais vivendo sem ela, já faz parte da minha vida. Não foi decisão minha, disseram que eu tinha que usar, que seria melhor, que seria necessário e eu acatei esta opinião e desde lá minha vida é assim... Usando todos os dias... Se por alguma razão eu já não uso ao acordar, me sinto mal... Angustiada... Com medo... Medo do que possa acontecer caso eu não use... Quando conto pras pessoas que eu uso todos os dias o dia todo, as pessoas ficam assustadas, me perguntam por quanto tempo vai ser assim, se colocam no meu lugar! Mas eu explico minhas razões e dai as pessoas percebem que é melhor assim! Hoje estou usando o dia todo... Não sei precisar por quanto tempo ainda vou usar, um ou dois anos... Só sei que se por alguma razão eu parar de usar, vou até sentir saudade da minha meia de alta compressão!

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Curtas...

Reticências... Prolongam minhas ideias, ampliam as interpretações, deixam margens para continuações... Sonhos são cheios de reticências, os sonhos da noite mesmo, não tem ponto final, é o surreal e de certa forma real, pois aconteceu, não aconteceu? Procurei e não encontrei a onomatopéia que eu queria para um longo suspiro... Mas se eu o descrevesse seria mais ou menos assim: O fim da tarde tinha cheiro de sol, aquele sol que está indo embora, mas contempla a face de quem o vê, os pés descalços tocavam a areia a beira do mar, o som do vento acariciava o corpo inteiro e ela com o corpo alongado, a face rosada, os braços abertos, olhava pra cima observando o movimento das nuvens e como em um desabafo puxou com toda força o ar para seus pulmões, segurou-o firme e soltou em seguida, devagar e intensamente até não sobrar um resquício sequer... E se isso fosse um sonho, depois do suspiro ela cairia pra trás com os braços abertos, e, independente de ter estado inicialmente na areia o que seguiria a partir daí seria aquela seqüência agonizante entre o sonho e a realidade e aquela sensação de estar caindo, caindo, caindo... E de repente você abre os olhos, o coração disparado e daí sim, o verdadeiro suspiro aliviado...

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Aos olhos de quem vê...

Eles passam o tempo todo no nosso campo de visão, sorrindo, falando ao telefone, dirigindo seus carros, fumando seus cigarros, os vemos sentados nos cafés olhando atentamente seus notebooks, fazendo compras, trabalhando, conversando com amigos, falando sozinhos, almoçando... O que vemos são as faces, as expressões, as máscaras que as pessoas adotam no palco da vida, mas não vemos e nem nunca pensamos no interior de cada um! Cada um destes rostos que vemos traz consigo uma história, um problema, um sentimento, são pessoas que julgamos muitas vezes sem conhecer e que não fazemos ideia do que enfrentam na vida para estarem aqui! A felicidade não é aquela gargalhada que ecoa em meio à multidão, muitas vezes ela esconde uma triste solidão! Energia, todas estas faces trazem consigo uma energia, um sentimento, um desejo íntimo, segredos, medos, pesadelos, sonhos, angústias, são faces como as nossas, que transmitem muitas vezes o que aos olhos é mais fácil de ver. Estas faces são espelhos, são retratos, são figuras passageiras que nos fazem pensar que somos melhores ou piores que alguém. Por trás das expressões é que se esconde a verdade, a verdade de cada um que se transforma até em mentira se assim for necessário por uma questão de aceitação! São seres indo e vindo, entrando e saindo ou nunca chegando a fazer parte da nossa vida, direta ou indiretamente. Os sons do mundo se misturam com os ruídos pessoais e não há filtros que consigam segurar palavras, elas soam livremente ajudando ou atingindo estas faces que nos rodeiam. Experimente não olhar, somente ouvir o que se passa ao redor, os sons às vezes revelam mais do que as imagens, é fácil "parecer", difícil é ser e manter. Nossa vida é um grande mistério, é o "efeito borboleta" em que cada batida de asas de uma borboleta assim como cada ação humana refletem mudanças no sistema! E se as ações humanas assim como o bater de asas da borboleta, são inevitáveis, o ideal é que, gerando mudanças no sistema, que estas sejam positivas! Olhar e tentar enxergar por detrás das máscaras é uma forma de vermos a vida o mais próximo do que ela é!

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Lembranças...

De tudo, o tempo todo, de pessoas, situações... E quando vamos nos dar conta de que talvez nada valha à pena? Que o tempo é curto de mais, mesmo em uma vida inteira, nunca teremos tempo o suficiente, para amar o suficiente, estudar o suficiente, ganhar a quantia suficiente de dinheiro, conhecer pessoas o suficiente... Os dias não são iguais, por mais que nos esforcemos, alguns dias, fins de semana, são terríveis, e daí temos aquela sensação de que perdemos ainda mais tempo do pouco tempo que temos. E eu só quero me esbaldar de vida! E a vida é tão importante, que não deveríamos perder nem um segundo de tempo que temos ao lado de pessoas que nos fazem felizes, de situações que nos alegram! Entre as coisas que eu menos gosto estão às inacabadas... O que era pra ser e não foi, o que tinha que ser dito e ficou guardado, o que nunca se resolveu, as lágrimas não choradas, os sorrisos não dados... Por algum tempo eu sofri por achar que talvez não tivesse sido uma pessoa perfeita! Mas hoje eu percebo que às vezes por pior que você seja você ainda é bom de mais pra quem não merece! Mesmo quando as coisas parecem estar fora do esquadro temos que nos conscientizar de que o que importa não é o que acontece com você, mas a maneira que você reage ao que acontece com você (eu sei que este pensamento não é meu, mas eu o utilizo com freqüência) cada vez que algo não está muito legal eu me lembro disso e fico bem, e tento visualizar outras situações possíveis, algumas alternativas, nem que seja pra me convencer de que nada é bom ou ruim o tempo todo, de que o amanhã pode ser melhor do que hoje e que se não for, ainda assim, vai valer a pena, pois aprenderei a dar valor aos dias maravilhosos! Acabei de ver um filme (excelente) em que o ator principal insistia em dizer que talvez nada do que você faça valha a pena, mas mesmo assim é preciso ser feito, por que se você não fizer, ninguém vai fazer...Mas eu acredito que tudo que fazemos com amor no coração vale a pena! Tudo o que fazemos de bom vale a pena e que o que não vale à pena é melhor não ser feito! Concordo que muitas coisas se nós não fizermos talvez ninguém faça... E muitas vezes estas coisas necessitam ser feitas. Eu deixo a vida me levar, mas não deixo mais o tempo resolver todas as coisas pra mim, eu procuro incessantemente as respostas, o sentido, a emoção de estar aqui, eu quero mais, eu quero tudo e quero agora e isso inclui dormir uma tarde inteira se assim eu preferir ou amanhecer em uma balada ou ir até a esquina comer um cachorro-quente (sem salsicha). Tem tantas coisas que eu ainda quero fazer e que vou fazer... Quero saltar de parapente, quero voar de balão, quero mergulhar, quero viajar, quero amar, quero casar... Eu quero, acima de tudo, viver tudo isso intensamente, e eu sei, tenho certeza que tudo vai valer a pena, inclusive que estar aqui agora escrevendo, já vale a muito a pena!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

O Infinito..

Tem uma música que diz que "o infinito é realmente um dos deuses mais lindos" e eu concordo... A vida, pra mim, não teria sentido se não fosse infinita! Quantas vezes nos apegamos a coisas sem sentido! Agarramos-nos com unhas e dentes a "mesquinharias" que podem ser desde sentimentos até bens materiais... Um erro! Tão grande, pois nada, nem ninguém nos pertence, não temos o domínio nem do próximo segundo, quem dera de uma vida ou de alguma coisa! Se nós temos uma missão nesta terra, ela deve ser: Aprender a viver... Somos todos aprendizes. Talvez não tenhamos todos a mesma missão, mas com certeza compartilhamos algumas lições! A evolução tem se restringido à tecnologia, as pessoas não tem evoluído mais porque estudam mais, porque tem mais pós-graduações ou mestrados, porque se especializam mais, muito pelo contrário, é comum vermos pessoas "estudadas" destratando outras pessoas, achando que são "superiores". Isto sim é lamentável. Viver e evoluir é muito mais do que isso, na minha opinião, é justamente compreender que a vida é infinita e que estar aqui é sempre uma chance de sermos melhores, de fazermos a maior quantidade de bem que pudermos, de deixarmos nossa mente fluir em paz... Curtir aqueles que estão próximos a nós... Cultivar os amigos! Fazer novos amigos, sempre. A admiração pelo infinito me levou a pensar em outros valores de infinita importância: A vida, o amor, a felicidade, a amizade, a lealdade, a liberdade! Não podemos perder tempo pensando no amanhã... Na semana que vem... Temos que ser livres nos nossos pensamentos e deixarmos a vida fluir. E ela flui... Quando você percebe conheceu outras pessoas, fez coisas novas, coisas que jamais imaginaria fazer e já está cheio de histórias pra contar! O que seria da vida sem as histórias, as risadas, os bons momentos que passamos... Para que isso aconteça é imprescindível que tenhamos bons pensamentos, boas atitudes! Preservar a energia positiva que temos e dividi - lá com o mundo! Mas principalmente saber dosar e concentrar esta energia diariamente e só assim teremos a certeza de que a vida, mesmo sendo infinita, não está passando inutilmente.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O tudo e o nada!

Um beijo, um abraço, uma conversa, um boa noite e também a solidão! A solidão acompanhada, o descompromisso, o medo, o interesse, o desejo pessoal, a modernidade! Maldita ou inocente? Estamos mesmo preparados para processar o novo? Para nos acostumarmos com esta era do vazio? A diversão de algumas horas não preenche um dia inteiro! E o que dizer dos impossíveis desejáveis? E dos indesejáveis disponíveis? E o que eu quero? Não conta mais? Não! Querer não é poder! Poder, é ter sorte de desejar o desejável! Sorte disse eu? Desejar o desejável não tem nada a ver com sorte, tem a ver com amor próprio! E esta tal de sorte? Vi um amigo dizer que ela o persegue, mas que ele é mais rápido! Cômico não? Já começo a suspeitar da sorte! Pois ela é relativa, pode também ser azar! E eu, particularmente, não creio nem em um nem em outro, eu creio na consequência!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Eventual!

Quase que diariamente reúno fatos, palavras, sugestões, episódios do cotidiano para relatar neste espaço! Faço-o de maneira sutil, vou captando frações e as utilizo para o resultado final! As vezes uma palavra basta para desencadear minha opinião! Hoje, novamente, cenas do cotidiano me levaram a este novo texto, que não é meu... É uma sugestão, ótima sugestão de um texto que inclusive tem muito haver com a essência deste blog! Incrível como a qualquer momento podemos entrar em contato com as mais variadas pessoas, basta um click para nos conectar a novos universos, novos pensamentos, novas energias! E quer saber? Vale muito a pena! Segue o texto de Rubem Alves extraido do site: A casa de Rubem Alves "O Barbazul" Vivia num país, não me recordo se próximo ou distante, um homem que todos conheciam pelo apelido Barbazul. Era um homem de rara beleza. Do seu rosto o que mais impressionava eram os olhos, de um azul profundo, dos quais saía uma luz azul que envolvia sua barba numa aura azulada, razão do seu apelido. Barbazul era um homem rico. Vivia num castelo. Numa das extremidades do seu castelo havia uma torre de sete patamares, trancados a sete chaves. Era uma torre misteriosa, interditada ao público, e sobre o que havia nela circulavam as estórias mais escabrosas. Barbazul era um homem solitário. Nunca se casara. Tão bonito, tão rico: por que nunca se casara? – era a pergunta que todos faziam. Muitas eram as mulheres, lindas mulheres, que por ele se apaixonavam. E Barbazul não se esquivava. Aceitava as sugestões contidas nos sorrisos... A princípio era um simples namorico, os dois passeando pelos bosques... Mas sempre chegava o momento quando a jovem lhe dizia: “Gostaria de me casar com você...“ “Casamento é coisa muito séria“, dizia Barbazul. “Só devem se casar pessoas que se conhecem profundamente. E só existe uma forma de as pessoas se conhecerem: é preciso que vivam juntas. Você viveria comigo, no meu castelo, mesmo sem nos casarmos? Eu no meu quarto, você no seu... Até nos conhecermos?” E assim acontecia. A jovem ia viver com Barbazul no seu castelo, cada um no seu quarto. Comiam juntos, passeavam, conversavam... Barbazul era um homem extremamente fino e delicado. Mas sempre acontecia a mesma coisa: depois de um mês assim vivendo Barbazul se dirigia à jovem e lhe dizia: “Vou fazer uma viagem de sete dias. Nesses dias você tem permissão para visitar a ‘Torre dos Sete Patamares‘. Aqui estão as sete chaves... Durante a sua visita você deverá segurar a chave do patamar que você estará visitando na sua mão esquerda, fechada com bastante força. Isso é muito importante. Porque as chaves têm propriedades mágicas...“ Com essas palavras ele partia e a jovem ficava só, com as sete chaves na mão, e a Torre dos Sete Patamares a ser visitada... Transcorridos sete dias Barbazul regressava e após o abraço do reencontro perguntava: “Visitou a Torre dos Sete Patamares?“ “Sim. Visitei todos os patamares...“, a jovem respondia alegremente. “Você gostou?“ “Eu os achei maravilhosos!“ Barbazul insistia: “Todos eles?“ “Sim, todos eles...“ “Então“, concluía com um sorriso, “é hora de você me devolver as sete chaves, aquelas que você apertou na mão esquerda, o lado do coração. Como eu lhe disse, elas são mágicas... Elas vão me contar o que você sentiu...“ Assentava-se então numa poltrona, fechava os olhos, e segurava as chaves na sua mão esquerda, uma de cada vez. A magia das chaves estava nisso: elas o faziam sentir, ao segurá-las, o mesmo que a jovem havia sentido, na sua visita aos sete patamares da torre. Só de olhar para o seu rosto era possível perceber os sentimentos guardados na chave que segurava. Eram sentimentos os mais variados, todos os que existem no leque que vai da alegria até a tristeza. As jovens sempre se emocionavam ao visitar os patamares da torre... Com uma exceção. Ao segurar a sétima chave o sorriso de Barbazul desaparecia e, no seu lugar, aparecia enfado e tédio. Era isso que a jovem havia sentido no sétimo patamar: enfado e tédio. “Não“, dizia ele à jovem. “Não poderemos nos casar. Comigo você será para sempre infeliz. O que há de mais fundo em mim, para você é tédio e enfado.“ E sem outras explicações levava a jovem à casa de seus pais, não sem antes enchê-la com os presentes que trouxera da viagem. E era sempre assim. Foi então que aconteceu... Era o entardecer, o sol se pondo no horizonte. O mar estava maravilhosamente azul. Barbazul caminhava na praia, como sempre fazia, pés descalços... Viu, ao longe, uma jovem que caminhava sozinha, molhando os seus pés na espuma do mar. Era uma cena linda, digna de uma tela de Monet: uma jovem sozinha, vestes brancas na areia branca, contra o azul do céu e o azul do mar... Ela caminhava na sua direção, distraída. Mas parecia não vê-lo, tão absorta se encontrava. Ela se assustou quando o viu... “Eu a assustei?“, ele perguntou. “Eu estava distraída“, ela disse, se desculpando. “Qual é o seu nome?“ “O meu nome? Stella Maris...“ “Chamam-me de Barbazul, por causa da cor da minha barba...“ Eles riram. Ela não era bonita. Mas a cena era bonita, bonitos eram seus olhos, bonita era a sua voz... Barbazul ouviu músicas no seu coração. E foi assim que caminharam juntos de pés descalços ao sol poente, caminhadas que vieram a se repetir a cada novo dia. Até que, numa dessas caminhadas, Barbazul falou o que nunca falara. “Você não quer morar comigo no meu castelo?“ “Você está pedindo que eu me case com você?“, ela perguntou. “Não. Estou pedindo que você venha morar comigo. Depois de morar comigo, quem sabe, descobriremos que as nossas solidões poderão caminhar juntas pela vida...“ E assim, ela foi morar no castelo do Barbazul. E aconteceu exatamente como acontecia com todas as outras: passado um tempo Barbazul anunciou uma viagem de sete dias e lhe deu as sete chaves com a mesma recomendação. E partiu... No primeiro dia Stella Maris tomou a primeira chave, abriu a porta do primeiro patamar e segurou firmemente a chave na sua mão. Era um enorme salão de festas cheio de gente. A orquestra tocava valsas alegres e as pessoas dançavam e riam. Parecia que todos estavam leves e felizes. Stella Maris dançou também e se sentiu leve e feliz. No segundo dia Stella Maris tomou a segunda chave, abriu a porta do segundo patamar e segurou firmemente a chave na sua mão. Era um salão de banquetes onde se serviam as mais deliciosas comidas e se bebiam os vinhos mais caros. Muitos eram os comensais, mas não tantos quantos havia no salão de festas. Stella Maris juntou-se a eles, assentou-se, comeu, bebeu e se alegrou. No terceiro dia Stella Maris tomou a terceira chave, abriu a porta do terceiro patamar e segurou a chave firmemente na sua mão. Era um parque cheio de crianças que brincavam dos mais variados brinquedos: balanços, gangorras, pipas, piões, cabo-de-guerra, pau de sebo, perna de pau, pula-corda, amarelinha, bolinhas de gude, bonecas, casinha, cabra-cega, escorregador, sela... Todas riam. Todas estavam felizes. Stella Maris se sentiu como criança e se juntou com elas, a brincar. No quarto dia Stella Maris tomou a quarta chave, abriu a porta do quarto patamar e segurou a chave firmemente em sua mão. Era uma biblioteca com prateleiras cheias de livros. Havia livros de todos os tipos: livros de ciência, de história, de literatura, de poesia, de filosofia, de humor, de mistério, de crime, de ficção científica, de arte, de culinária, de sexo, de religião... Os rostos daqueles que, assentados às mesas, liam livros em silêncio, revelavam emoções que os livros continham: concentração, excitação, curiosidade, alegria, tristeza, riso... Stella Maris escolheu um livro de arte, pinturas de Monet. Vendo as ninféias de Monet ela se sentiu leve e diáfana e desejou ver uma ninféia num lago... No quinto dia Stella Maris tomou a quinta chave, abriu a porta do quinto patamar e segurou a chave firmemente na sua mão. Era uma catedral gótica. A luz do sol se filtrava através dos vitrais coloridos e no silêncio do espaço vazio se ouvia o Requiem, de Fauré. E não eram muitas as pessoas que lá estavam. Havia rostos de súplica, rostos de sofrimento, rostos de paz. Stella Maris foi envolvida pelo silêncio, pelas cores dos vitrais, pela música... E a sua alma orou, chorou, agradeceu e sentiu paz. No sexto dia Stella Maris tomou a sexta chave, abriu a porta do sexto patamar e segurou a chave firmemente na sua mão. Era um jardim japonês. Ouvia-se o barulho da água que caía na fonte onde nadavam carpas coloridas em meio às ninféias. As cerejeiras estavam floridas. Um velho hai-kai repentinamente floresceu: “Cerejeiras ao anoitecer – Hoje também já é outrora...“ (Issa). Poucas, muito poucas eram as pessoas que andavam pelo jardim. Stella Maris se assentou sob uma cerejeira florida e o seu pensamento parou. Não era necessário pensar. A beleza era tanta que ocupava todo o lugar onde moram os pensamentos. Experimentou o paraíso... No sétimo dia Stella Maris tomou a sétima chave, abriu a porta do sétimo patamar e segurou a chave firmemente na sua mão. Era uma ampla sala vazia, na penumbra. Ninguém, somente ela. O silêncio era absoluto. A solidão era absoluta. Dois móveis apenas, duas cadeiras. A que se encontrava no centro da sala era iluminada pela luz das velas de um candelabro que pendia do teto. Stella Maris assentou-se na cadeira que estava num canto, nas sombras. Foi então que um homem entrou por uma porta nos fundos. Vinha abraçado com um violoncelo. Sem dizer uma única palavra ele se assentou, arrumou o violoncelo entre as pernas, tomou o arco, concentrou-se e pôs-se a tocar. A melodia, em meio ao silêncio absoluto, sem nenhum ruído ou fala que a profanasse, era de tal pureza e pungência que lágrimas começaram a escorrer pelo rosto de Stella Maris. Sentiu que o seu corpo estava possuído pela beleza. Era como se ele, o seu corpo, fosse o instrumento de onde saía a música. Sim, ela já a ouvira: a Suíte n. 1, em sol maior para violoncelo, de Bach. Terminada a execução, o artista se levantou e se retirou sem nada dizer. Stella Maris permaneceu assentada, em silêncio; não queria que aquele momento terminasse. Queria que ele se prolongasse, para sempre... * * * “Então“, disse Barbazul sorridente, “visitou a Torre dos Sete Patamares?“ “Visitei“, respondeu Stella Maris, entregando-lhe as chaves. Barbazul pediu para ficar sozinho e reclinando com os olhos fechados foi apertando as chaves, sucessivamente, com a mão esquerda, a mão do coração. No seu rosto se estampavam as emoções que Stella Maris havia tido em cada um dos patamares: leveza, alegria, riso, beleza, tristeza – até chegar ao último patamar, aquele que, ao segurar a sua chave, sentira o tédio e o enfado que as outras mulheres haviam sentido. O que é que Stella Maris teria sentido? E, de repente, sentiu lágrimas rolando pelo seu rosto, as mesmas lágrimas que haviam rolado pelo rosto de Stella Maris. Era como se o seu corpo estivesse possuído pela beleza e fosse o instrumento do qual a música saía... Barbazul sorriu. Permaneceu assentado, em silêncio; não queria que aquele momento terminasse. Queria que ele se prolongasse, para sempre... * * * “Stella Maris, você quer se casar comigo“, ele perguntou. “Casar? Mas eu pensei que...“ “Sim, casar. Você compreendeu o que é a Torre dos Sete Patamares? É a minha alma. Cada patamar é um pedaço de mim. Lá se encontram os prazeres e alegrias humanos. Homens, mulheres e crianças se reúnem para compartilhar esses prazeres e alegrias. Mas, ao final da torre, há um lugar de solidão absoluta onde só entra uma pessoa de cada vez, eu permitindo. Aquele lugar é o fundo do meu coração. Quem não amar aquele lugar jamais me amará. Poderá até ser um companheiro de danças, de jantares, de discussões literárias, de brinquedos... Muitos podem ser bons companheiros. Mas, para me amar, é preciso amar a minha solidão. E aquela música é a forma sonora da minha solidão. Você a achou bela. Você permitiu que ela possuísse o seu corpo. E, por isso, eu a amo... Nossas solidões são amigas... Você quer se casar comigo?“ - Estórias são parábolas. Não podem ser tomadas literalmente. Eu usei uma figura masculina como figura central – o Barbazul – porque estou reescrevendo e transformando a velhíssima estória do Barba Azul, cheia de violências e assassinatos. Mas seria possível escrever uma estória com a mesma trama tendo uma mulher como a figura central. - “O primeiro homem é o primeiro visionário de espíritos. A ele tudo aparece como espírito. O que são as crianças, senão primeiros homens? O fresco olhar da criança é mais transcendente que o pressentimento do mais resolutos dos visionários.“ (Novalis, Pólen, 163). - “Eu acreditava em sacis. Até que um dia um deles mentiu para mim...“ “Todo mineiro é caboclo. Caso contrário é louco.“ “Sou mineiro, tenho brio. Não confirmo nem desminto. Desconfio“. (Gildes Bezerra) (Correio Popular, 19 e 26/05/2002)

domingo, 22 de agosto de 2010

O preço da felicidade!

Quanto custa um dia feliz? Qual é o preço da paz de espírito? Seria bom se estas coisas realmente estivessem a venda! Assim, aqueles que não conseguem de jeito nenhum a dádiva da felicidade, não se encomodariam tanto com a alegria alheia! Uma das coisas mais difíceis que eu observo em todas as relações é o respeito! Respeito pelas diferenças.. Confesso que eu também já sofri deste mal, de achar que tudo e todos ao nosso redor tem que ser como nós, pensar no que pensamos, se dedicar com a mesma intensidade ao que nos dedicamos, enfim... Mas, da pior maneira possível, percebi que as coisas não são bem assim, aliás, não são nenhum pouco assim! A maioria das pessoas vive para estar "certa", tem que estar certos de tudo e ter toda a razão! Eu vivo para ser feliz, estando certa ou errada! Eu vivo para aproveitar cada segundo da minha existência e isso me faz feliz! O que não me faz feliz é ser julgada por ser assim, julgada por ter minhas próprias convicções! As pessoas, a grande maioria das pessoas infelizes não se contentam em ser infelizes sozinhos. Além de tudo, não aguentam ver que outras pessoas conseguem se sentir bem independente do que aconteça! E tem uns ainda que para piorar, passam o tempo inteiro querendo boicotar a paz de espírito alheia! Acho triste isso! A razão, na minha opinião, é protegida pela ignorância! As maiores atrocidades cometidas até hoje foram movidas pela razão, pela certeza! Quem pode dizer o que é certo ou errado? Temos sim, normas sociais que devem ser cumpridas para que haja ordem, mas em relação a vida, a sentimentos, a crenças, quem pode dizer? Daí é que entra o respeito ou a falta dele! Ganha credibilidade comigo quem sabe viver, livre de preconceito e de razão! Ganha credibilidade comigo quem, independente do que faça, respeite o que qualquer outra pessoa faz também... Somos livres, até Deus nos deu o livre arbítrio, como que algumas pessoas simplesmente não nos dão? O segredo da felicidade nunca vai ser revelado mas eu creio que está no caminho certo quem vive com a mente aberta e amor no coração, por que só assim podemos ser incondicionalmente livres e a felicidade requer liberdade para se manifestar!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Um dia de fúria!

Atípico. Assim posso chamar o texto de hoje! Atípico por que geralmente procuro as melhores saídas, as melhores respostas, o lado bom da coisa! Ainda continuo nesta linha de pensamento de que fazer o bem vale a pena, respirar fundo também! Agradecer, amar, perdoar, viver de forma simples e leve... Mas, fugindo um pouco do meu discursso, acho que ninguém consegue viver o tempo todo assim! As vezes para nos sentirmos mais leves é impressindível que a gente extravase, solte aquilo que encomoda, seja como for... O que não dá é pra ficar acumulando aquela energia ruim que as vezes invade o espírito... Tem que liberar! Eu mesma as vezes tenho vontade de gritar, tão alto, que acho que até eu ensurdeceria! Tenho vontade de colar algumas fotos no travesseiro e socar tanto até não sobrar uma pena, queria as vezes fugir, sumir, sair correndo até cansar e esvaziar completamente a mente! Tem coisas que se eu pudesse arrancaria com as unhas de dentro de mim! São tantas as coisas, situações que não dependem da nossa vontade ou escolha, são fatos que surgem no meio do dia, ocasiões em que tudo que gostaríamos era estar vivendo outra coisa! Ultimamente eu vivo minha vida normalmente! Vida normal aí vou eu! Foi o que pensei quando o médico me disse que estava tudo liberado.. Mas, papéis me lembram que eu estou e estarei por um bom tempo em um tratamento oncológico mustidiciplinar! Sentimentos incontroláveis saltam da minha mente... Procuro estar e ser otimista, não penso no que pode acontecer! Penso no aqui, no agora, penso nas gargalhadas diárias que eu dou, nos sorrisos, nos abraços, nas conversas, mas as vezes preciso pensar mesmo em me liberar de sentimentos ruins que não existem por que eu quero, simplismente insistem em fazer parte dos meus pensamentos! São sentimentos em relação ao que vivi, ao que passei, ao que não quero passar de novo! Pensamentos em relação a pessoas que eu não quero lembrar! Tecla amnésia onde você está? Nada é tão ruim para o corpo quanto uma alma cansada! Já me senti assim e o resultado não foi bom! Não quero voltar a me sentir assim, me sinto as vezes vivendo em um Alcatraz interno. Mudança. Preciso, urgentemente transformar algumas coisas, refazer alguns desejos, descansar a alma, não pensar em nada, não ver nada, não ouvir nada que me faça sentir assim! Não, eu não estou triste, não me perguntem o que está acontecendo! Nada está acontecendo, inclusive não me sinto tão bem a muito tempo, já me desfiz de muita coisa ruim, só precisava falar um pouco sobre o que precisa ser feito ainda! Acho que no meu caso este texto está inserido no meu dia de fúria, é minha maneira de botar pra fora algumas coisas... Não, não vou queimá-lo assim que terminar para as coisas ruins irem embora com a fumaça! Vou perpetuá-lo aqui para sempre recordar de que tudo é passageiro!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

São caminhos sem volta...

Você já se pegou lembrando daquela fase dos 14, 15, 16? Éramos "crianças" donas do universo e da verdade, sabíamos mais do que sabemos hoje! Vivíamos cada dia e quando pensávamos no futuro ele era tão doce e perfeito! Na minha ideia, pessoas de 30 eram velhas... Hoje quando vejo que eu contínuo jovem mesmo estando bem mais perto dos 30 do que dos 20 até me tranquilizo, o que mudou mesmo foi a visão de futuro! Sabe aquela sensação de "pra sempre" que se tem quando se é adolescente? Onde ela foi parar? Vivíamos intensamente as mesmas ideias e gostos e sonhos dos nossos amigos, ouvíamos as mesmas músicas, compartilhávamos segredos! Até que cada um segue o seu caminho e depois de alguns anos quando nos encontramos somos estranhos! O que nos mantém ligados por alguns instantes são as lembranças de um tempo tão nosso! Hoje nem nos reconhecemos, nos indignamos com algumas atitudes e percebemos que o melhor de nós não fez com que isso durasse pra sempre! Tem um filme que já passou trocentas vezes na globo mas que é um tapa com luva de pelica nas minhas convicções: "De repente 30", você acorda e percebe o que a vida fez de você e não o que você fez da vida! O que acaba com as pessoas são os padrões sociais... Moda, comportamento, tecnologia, tendência (eu não suporto tendência), blá, blá, blá... Se você experimenta sair dos padrões você é rebelde, quer chamar a atenção. A massificação do comportamento padrão virou tão normal que anormal é ser diferente... Portanto, assino o certificado de anormal! Já me esforcei muito pra ser "normal" e quer saber? Não valeu a pena! Por isso, hoje, sou exatamente o que vivo, o que penso, o que falo, o que como, etc.. Nada acontece só por acontecer na minha vida! É por que no fundo eu me convenço dia após dia de que só assim é possível viver!

terça-feira, 20 de julho de 2010

E pra me convencer...

Não existe outra maneira de seguir adiante senão olhar a vida de frente! Olho ao redor e o que vejo são pessoas seguindo seus caminhos também, com todos os tropeços necessários para aprenderem e assim seguir adiante! As vezes procuro me convencer do que é o correto e tento encontrar qual a falha genética que faz de mim um ser as avessas! As coisas podiam ser mais simples se eu tivesse uma ideia fixa ou ao menos não mudasse tanto de planos, gostos e desejos no decorrer da minha caminhada! Escrever é fácil, é liberar o que eu penso de forma sincera, escrever é um hobby! Queria que todas as minhas decisões fossem assim, tão simples quanto ao momento em que sento para escrever, mas não são! Daí é que vem minha pergunta, será que sou assim para me convencer? Me convencer de que não há outra maneira de viver? Quando encontro a maioria dos meus amigos e amigas, vejo que 90% deles seguiram uma linha e nela estão até hoje: estudaram, se formaram, trabalham em suas respectivas áreas, conheceram alguém especial, se apaixonaram e hoje vivem felizes (o "para sempre" eu concluo daqui a alguns anos). Mas, eu estou naquela margem de 10%... Na qual tudo muda o tempo todo, antes de ontem trabalhei no jornal, ontem fiz direito, hoje faço história e amanhã? Antes de ontem era solteira, festeira, ontem casei, hoje separei e amanhã? Se eu disser que me canso desta vida vou estar mentindo, mas, um pouco de "normalidade" no meu caso cairia bem... Passei por uma das experiências mais terríveis e amedrontadoras da minha vida nos últimos seis meses o que piorou ainda mais meu grau de qualificação da vida... Hoje tudo tem que ser incrível, hoje eu não quero água morna, hoje eu preciso de tudo e mais um pouco pra me sentir completa, pra nunca mais olhar pra trás e ver que o tempo voou e que eu o perdi... E até hoje se perdi, foi o que pertenceu aos momentos de normalidade, de achar que tudo caminhava pra um mesmo lugar, foi no momento em que achei que as coisas se encaixavam que perdi coisas valiosíssimas ... Perdi sorrisos, perdi abraços, perdi piadas, perdi noites e perdi dias... E para aqueles que me dizem que nada se perde, tudo se aprende, desculpem, mas não concordo! A vida foi feita para ser vivida e não aprendida! Se por um acaso algo muito ruim tivesse me acontecido e eu não estivesse mais aqui o que poderia ser dito dos meus últimos anos? Que abdiquei da felicidade em prol da normalidade? Isso não seria nem um pouco confortável... Deixar de ser quem eu era para agradar aos outros? Como eu podia me sentir feliz? Respirar fundo! Deixar a mente fluir e... E fazer planos? Estou um pouco calejada de planos... Mas, deixar a vida me levar por si só não me ajuda... Um raio de consciência luminosa ainda me resta e este raio me mostra que as peças do quebra cabeça estão na hora de se encaixar... Que está na hora de me encontrar por que já me perdi de mais! Que talvez esta seja a hora da manipulação... de unir as doses variadas que ocupam meu ser e em proporções diferenciadas encontrar o equilíbrio! Mas claro, sem perder esta ânsia de vida que me preenche atualmente... Como não sou muito planejada, um passo de cada vez será uma boa ideia, mas que eles me levem ao menos a um só lugar!

domingo, 18 de julho de 2010

Sincretismo Religioso

Sincretismo (do grego συγκρητισμός, originalmente "coalização dos cretenses", composto de σύν "com, junto" e Κρήτη "Creta") é uma fusão de doutrinas de diversas origens, seja na esfera das crenças religiosas, seja nas filosóficas. Por que eu sou um exemplo deste sincretismo? Muito mais do que as características históricas que marcam esta atividade em diversos povos e regiões eu sou uma pessoa que aplico esta junção á minha vida! Falar sobre nossas crenças religiosas é até perigoso! Ainda mais quando somos livres de preconceito neste sentido, enquanto a maioria da sociedade não é. Não tenho nada contra a nenhuma prática e tento tirar o que cada uma das que conheço tem de bom... Não vejo mal algum em usar escapulário, patuás, ter um símbolo de um mantra budista tatuado, ler Chico Xavier, frequentar igrejas variadas, conhecer templos, pedir ajuda aos anjos, fazer orações, tirar satisfação com Santo Antônio e ao mesmo tempo acreditar na ciência.... O mal eu vejo é nos "antolhos", naqueles que consideram suas crenças as únicas merecedoras de salvação e que apontam todos que não a seguem como almas perdidas, ovelhas desgarradas do rebanho! A religião foi inventada. A fé não! No mundo inteiro pessoas alcançam graças e vivenciam milagres acreditando nas mais variadas criaturas! Será mesmo que foram as criaturas que fizeram os milagres ou aqueles que depositaram sua fé de forma correta no que queriam? Portanto, não importa no que você acredite, desde que acredite com toda a sua força... Desde que deposite toda sua fé! Me desculpem mas não consigo ter paciência com normas impostas por homens para emburrecer a sociedade.Para reduzir as mentes em meros aspiradores que só engolem tudo! E já arrumaram desculpas para nossos questionamentos... Para os meus pelo menos... Respostas descabidas sem pé nem cabeça e que retratam todas as falhas deste nosso sistema religioso! Eu não respondo à perguntas das quais as respostas não tem cabimento, mas procuro sim, respostas que me ajudem a seguir uma linha de pensamento que faça sentido! Até lá, continuarei minha mistura de crenças, meu modo particular de lidar com este assunto e principalmente, minha maneira de ver a vida! Que hoje tem um significado muito mais especial.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Promessas...

Eu prometo... Prometer é um dos verbos mais perigosos de serem pronunciados! Seja aos outros ou a si mesmos. Eu, particularmente, prometo uma única coisa a mim mesma: Prometo ser feliz... e vou perseguir tudo aquilo que traga este resultado! Ser feliz é uma opção, muitos deixam este detalhe de lado e procuram pela felicidade sem a terem colocado em sua lista de prioridades.. Atualmente, mais do que em qualquer outro momento da minha vida, eu sinto urgência em viver! Tenho pressa! A vida é muito curta, não só para mim, que ainda faço parte de um grupo moderado de risco, mas para qualquer um que esteja vivo! Daqui a um minuto tudo pode mudar e aí... Pode ser tarde de mais para pensar no que podia ter sido feito, pensar no que deixamos para depois! Ser feliz requer fazer escolhas, traçar objetivos e perseguí-los, mas, requer acima de tudo "leveza" e até um pouco de egoísmo! Para que eu seja feliz talvez me afaste de pessoas, me distancie de parentes, talvez até seja um pouco rude com alguém, mas ser feliz exige que as vezes eu diga não, que nem sempre eu esteja disponível, que nem sempre eu queira fazer algo por alguém que não a mim! Agora, se fazer o bem a alguém me trouxer alegria, com certeza eu farei...Hoje não faço mais nada pensando somente em agradar aos outros, preciso sentir aquele prazer em fazer o que quer que seja, caso contrário... Uma das melhores maneiras de ser feliz é saber que a vida é incrível e merece ser vivida intensamente! Por mais que a dúvida seja o princípio da sabedoria, que ela seja doce a quem a verdade pode fazer mal. Por tudo isso é tão difícil fazermos promessas... Porque além de intensa, a vida é imprevisível!

Se meus olhos tirassem fotos...

terça-feira, 13 de julho de 2010

A boca fala do que está cheio o coração!

Eu sei plenamente que isso não conforta aqueles que já ouviram absurdos de outras pessoas. Como eu! Mas, ao menos, nos faz refletir! Ainda vivendo um maravilhoso momento nostalgia, no último domingo fui ao culto na Igreja Luterana, minha igreja de batismo e confirmação, e, que eu particularmente amo! O Pastor com toda sua sabedoria usou esta frase que será uma das minhas máximas! Lembrei de muitas coisas que eu ouvi e tive a certeza de que nada daquilo se referia de fato a mim, e sim, àqueles que mencionaram tais palavras! Repito: A boca fala do que está cheio o coração. Portanto cabe a cada um de nós policiarmos aquilo que sai de nossas próprias bocas e quanto a dos outros resta-nos não nos deixarmos abater, compreender que aquilo que sai da boca de alguém pertence a este alguém e a mais ninguém! Concordo que não é fácil! Uma das armas mais poderosas ainda é a palavra... Seja para o bem ou para o mal, e como fere! Quantas vezes preferíamos ter levado um soco ao invés de ter ouvido alguma coisa! Doeria menos, passaria com o tempo...Se ao menos as pessoas se dessem conta do poder que as palavras pronunciadas tem, o mundo seria muito mais silencioso. E esta "máxima" serve também para que palavras que são a muito repetidas sejam analisadas com carinho... É muito mais fácil pararmos para ouvir qualquer pessoa do que darmos de fato importância aos que estão conosco! As pessoas estão, no geral, insatisfeitas, insatisfeitas com o que causaram a si mesmas! Se você quer verdadeiramente alguma mudança em sua vida, comece por você! Eu sei que parece clichê, mas é a verdade! Admiro as pessoas corajosas, e estas não são as que sobem alturas, se jogam de bungee jump ou despencam em queda livre. Corajoso é aquele que assume o que faz, se responsabiliza por seus atos e não tem medo de mudar! Repudio os covardes, que também não são os que tem medo de grandes aventuras mas aqueles que lidam com a vida seja com a sua ou a alheia sem responsabilidade! E pior do que fazer o mal é vê-lo acontecer e não fazer nada para impedir, atualmente temos que fazer muito mais do que a "nossa parte"! Temos que, no mínimo, tentar fazer o impossível. Não com o intuito de sermos super homens ou super mulheres! Mas, com o intuito de sermos felizes e se isso requer coragem de assumirmos nossas vidas como sendo responsabilidade nossa, isso também evitará um bocado de palavras que jamais devem ser pronunciadas!

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Essência...

É bom sentir-se bem em algum lugar, hoje falo àqueles que viveram sempre no mesmo, mas principalmente àqueles que, como eu, viveram em vários! Andando pela cidade relembro dos tempos da escola, das aulas de violão, dos pés de tangerina, do treino de vôlei, do primeiro beijo, do primeiro amor... Olho nas ruas e me vejo em muitas das pessoas que continuam aqui! Nostalgia, sentimento que surge não tal qual a saudade que temos do que está longe, mas ao olharmos de perto aquilo que já passou! E se no carro tocasse aquela música? Aquela que eu pedia pra tocar na rádio, aquela que eu sabia de cor e salteado, aquela que marcou aquele tempo em que despreocupada eu andava por aí... Talvez eu não aguentasse e até começasse a chorar de emoção!E neste lugar que continua tão igual e diferente ao mesmo tempo eu cresci e daqui parti.. Hoje ao acordar, a cerração matinal ganhou minutos de contemplação...Minutos como aqueles que ansiosa eu a esperava passar, para poder ir brincar... Aquele tempo tinha gosto, tinha cheiro, tinha som! Boa parte da minha história (até agora pelo menos) aconteceu aqui... Talvez até uma das partes mais doces, que chegam a contrastar com períodos ácidos que vieram depois. O tempo é incrivelmente prevísivel, todos sabemos que as coisas mudam o tempo todo, que nada permanece igual... Este tempo que parece impiedoso nos dá muitas oportunidades e a principal delas é a de sermos como ele... Mutáveis... Todos temos a chance de mudar, o tempo todo, de melhorar! Felizes das "metamorfoses ambulantes" que conseguem não ter a mesma velha opinião formada sobre tudo, que conseguem enxergar em cada minuto do seu dia uma chance de ser melhor, melhor na dor, melhor no amor, melhor em tudo! Se hoje eu escrevo, é por que foi aqui, na Biblioteca Municipal, que me apaixonei pela leitura. As marcas deste lugar são mais fortes que tatuagem, uma vez que não se apagarão jamais! Feliz daquele que tem seu "refúgio particular", um lugar para o qual possa voltar e que ao chegar se sinta confortável, independente da morada, mas, confortável por se encontrar!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Feliz "Recomeço..."

Com eu já escrevi aqui neste blog, de hoje em diante todo dia vai ser o dia mais importante! Em menos de uma hora começa o meu aniversário, minha virada de ano particular! E que presente, que grande presente eu recebi... O de poder estar aqui, muito bem para poder comemorar, o de ter um resultado excelente para o meu exame, o de estar ao lado da minha família... Tenho realmente muitas razões para agradecer cada segundo do "meu dia" e de todos os outros! O que eu quero? Que todos me desejem muitos anos de vida... Que a cada dia eu seja mais e mais abençoada com saúde, por que do resto a gente corre atrás. Hoje fui ao médico e a visita não podia ser melhor, tudo está ótimo (quer presente melhor?), minha próxima consulta é daqui a três meses (mas se eu ficar com saudade do médico eu passo por lá antes disso),mas até lá quero pensar e viver um dia de cada vez, sem ansiêdade, sem medo de ser feliz... Este próximo semestre será um recomeço, com muitos dos sonhos que eu já tinha, porém, outras estratégias de realização! Com uma nova maneira de olhar a vida, de frente, sem olhar prá trás! O que passou, passou. E nada foi em vão... Cada sim, cada não, cada tchau, cada talvez, cada lágrima, cada sorriso, cada expectativa, cada resultado, cada decepção, etc... Foram estas coisas que fizeram com que eu recuperasse a essência perdida em algum momento, estas coisas devolveram meu brilho e fizeram eu voltar a ser assim, otimista, confiante, completa em mim mesma, muito mais feliz! Antes de mais nada fica estabelecido que ninguém vai tirar meu bom humor...Viver assim é a única maneira que eu ainda me permito viver! Cultivando aquilo que me faz bem e fazendo o bem sem olhar a quem! Daqui a pouco um novo ciclo se inicia e deste eu só quero bons momentos!

quarta-feira, 30 de junho de 2010

'Anticâncer'

Já faz um certo tempo que li o livro 'Anticâncer' de David Servan Schreiber(logo assim que soube do meu problema) e sempre leio e releio algumas partes! No livro é muito impressionante o quanto nos identificamos com o que está escrito, com as situações que o autor menciona. Tenho certeza de que o que eu escrevo aqui e o que outras pessoas nestas situações relatam em seus blogs, páginas na internet, conversas pessoais, também devem ser parâmetro de comparação e coincidências a outras pessoas que passam por problemas semelhantes! No meu caso, duas foram as situações mais corriqueiras: 1ª- Quando mencionamos que o que temos é câncer de pele todo mundo diz que câncer de pele é moleza! (Eu nem discutia). 2ª- Quando as pessoas perguntam como você descobriu e você explica que foi em um sinal da pele e blá, blá, blá... Todo mundo mostra um sinal que tem e que coça, sangra, é grande!(E ainda pedem sua opinião) Minha opinião é com a regra e a regra é clara: Procure um médico! Enfim, fora as incontáveis vezes que parei pra explicar o que eram linfonodos! (Tenho certeza de que nem 30% dos que ouviram minha explicação entenderam-na). Mas o que mais me impressiona é que as pessoas ouvem, sabem que você tem câncer e esperam que você morra! Só pode ser isso, pois quando você fica bem, tem gente que solta a máxima: Ah, mais então não era tão grave assim!! (Eu nem discuto). Quando passamos por uma situação destas, nossa cabeça, nosso espírito, nossas convicções, tudo fica tão sensível que no momento nem pensamos muito no que pode vir a acontecer e quando 'acaba' começamos a rever certas coisas que nos aconteceram neste 'meio tempo' e algumas parecem fazer muito sentido, outras são nitidamente 'tranquilizantes', as pessoas não tem ideia do que lhe falam, mas a intenção delas é boa... É te tranquilizar! E as comparações??? Você diz que tem câncer e alguém logo solta uma de que fulano também, pegou uma gripe daquelas... Aff!! Nada se compara, acho que nada é tão aterroziante quanto uma doença que é um fantasma para milhares de pessoas e famílias... Mas quero ressaltar que nada disso foi 'ruim' pra mim, entendo a intenção das pessoas, agradeço a intenção das pessoas, sei que cada um fez o melhor que podia fazer! Sei também que as pessoas não nascem preparadas para lidar com assuntos assim. E principalmente, fui paciênte com tudo isso por que eu também já agi assim!

terça-feira, 29 de junho de 2010

Complementação...

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."
Fernando Pessoa

Sobre os sonhos...

Há poucos dias me peguei pensando no que fazer da vida daqui pra frente... Sobre as coisas óbvias como retomar trabalho, faculdade, claro, o quanto antes e sobre coisas sem a menor obviedade... (este texto será cheio de reticências...) Quantas vezes planejamos... sonhamos... visualizamos...acreditamos...E quantas vezes parece que o contrário resolve tomar a frente das coisas...Certas situações nos tiram o chão... Parece que você perde todas as placas pelo caminho e não vê nenhuma em kilometros de distância... E, aos poucos, uma e outra começam a aparecer, sem muito sentido, sem indicar a direção que você esperava e quando você percebe, já está seguindo um novo caminho...E para onde vai este caminho? Cabe a você decidir... Nesta minha busca por entendimento sobre o que fazer percebi que não preciso abandonar os meus sonhos só por que os personagens mudaram... Sim, mudaram... Contra a minha vontade, mas mudaram... Hoje já percebo que isso não é ruim, por que acredito que nada é por acaso, tudo tem uma razão... Os personagens e seus papeis mudaram mas os sonhos continuam os mesmos... Os planos, e como é bom fazer planos! Melhor ainda quando o certo é quando os planos dão errado! Quando somos obrigados a seguir um novo caminho...Quando nos vimos frente a situações que achávamos que jamais superaríamos na vida... Surpresa!! Nada dura para sempre! Assim, ao invés de vivermos esperando dias melhores*, vamos fazer dias melhores para sempre... Eu mesma de vez em quando tenho que voltar das nuvens por onde rondam meus pensamentos... E faço isso com extrema naturalidade, feliz com a possibilidade de mudanças constantes... A vida é inconstante, cabe a cada um de nós fazer dela o melhor possível! *inspirado na canção do J.Quest

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Perspectiva!

A vida é incrível! As nossas lições, tantas coisas que acontecem num piscar de olhos! Antes do blog, logo que soube do meu câncer, postei no twitter algo semelhante a isso: "Nossa vida muda muito rápido, você senta para jantar e a vida que você conhecia acaba de repente" e de fato é verdade! E mesmo assim, mesmo com esta perspectiva de que nunca sabemos o que vai acontecer daqui a um segundo, muitas pessoas desperdiçam a vida... Alguns a jogam fora, outros não a suportam (não faço ideia de como conseguem tal façanha), quantas são as pessoas que passam os dias a base de antidepressivos e calmantes? Perdemos as contas do número de gente que se mata! Da quantidade de gente imprudente que está pouco se lixando pra sua vida e muito menos pra dos outros! De pessoas que não sabem dar um abraço! De quantas e quantas que não sabem o que é falar ou ouvir 'eu te amo', estamos rodeados de pessoas que sequer sabem sorrir! Gente que não vê sentido na vida, pessoas que não sabem o que as deixam felizes. E quantos são aqueles que vivem culpando aos outros pelos seus infortúnios? Jogam a sua responsabilidade nas costas de outras pessoas e o pior é que acreditam mesmo nisso. E os juízes de plantão? Que estão o tempo inteirinho prontos para julgar a vida alheia! Todo mundo sabe o que faria se estivesse no seu lugar, duro mesmo é todo mundo saber o que fazer com sua própria vida! Quando você para e observa um pouquinho só as pessoas, percebe que são tantas que falam tanta besteira, tanta coisa sem cabimento que chega a dar dó! Hoje em dia na verdade minha vontade é sacudir estas pessoas e dizer: O que você está esperando pra ser feliz? Tem gente que pensa que seria feliz se perdesse 5 quilos, se ficasse rico, se estivesse com tal pessoa, se comprasse o modelo novo de um celular, se, se, se, se.... A felicidade vai muito além do 'se'... A felicidade é olhar no espelho e ter orgulho da pessoa que você é independente de quantos quilos você tenha.. É fundamental sim, cuidarmos de nós mesmos, do nosso corpo, até porque quem se ama se cuida! Então, se o problema são os quilinhos a mais, corra atrás do prejuízo (literalmente), pare de se lamentar! Acorde, se olhe no espelho e diga pra você mesmo que só o fato de estar respirando merece comemoração! E eu não estou dizendo que é fácil.. Nosso dia a dia é uma loucura e nos tira do sério muitas vezes.. Mas, aprenda a relaxar.. Ver o lado positivo das coisas, rir de você mesmo de vez em quando! E uma coisa eu posso garantir... Viver é maravilhoso e vale muito a pena!